(21) 3129-1029      athenaginecologia@gmail.com    |   

A importância da vacina contra câncer por HPV

Vacinar é preciso

O câncer de colo de útero, que pode ser provocado pelo HPV (papilomavírus humano), pode ser evitado através da vacina contra o HPV. Apesar de já ser oferecida de graça pela rede pública, no Brasil tem sido comum a dispensa dessa importante ferramenta preventiva apenas por medo dos supostos efeitos adversos ou por falta de informação.

A imunização contra HPV está disponível para meninos e meninas há pelo menos três anos e hoje protege contra os tipos 16 e 18 (responsáveis por 70% dos casos de câncer de colo do útero), oferecendo imunidade também contra outros tipos de HPV - inclusive aqueles que causam verrugas genitais. Apesar disso, a cobertura vacinal continua muito baixa, bem longe dos 80% recomendados. Apenas 51,4% das meninas de 9 a 15 anos e 22,4% dos meninos de 11 a 14 anos completaram a segunda dose.

Há uma cultura no país que associa vacinação contra DSTs para jovens ao interesse precoce pelo sexo. Mas, na verdade, vacinar conscientiza sobre a importância de se proteger cedo, quando o sistema imunológico está mais ativo e quando ainda não se teve os primeiros contatos sexuais. Em diversos lugares do mundo, o programa de vacinação promovido em escolas nos últimos anos resultou em uma drástica redução dos casos da doença. Já no Brasil, o Inca contabilizou mais de 16 mil diagnósticos por ano, colocando o câncer de colo cervical como o segundo mais letal para mulheres, perdendo apenas para o câncer de mama.

Sobre o HPV

O papilomavírus humano (HPV) é a doença sexualmente transmissível (DST) mais comum, com mais de 40 subtipos e geralmente assintomática. Mas, ao contrário do que se pensa, a transmissão não se dá apenas pelo sexo com penetração. O uso da camisinha também não é capaz de proteger 100%, já que a lesão pode estar fora da área de cobertura do preservativo.

De toda forma, pelo menos 50% dos homens e mulheres sexualmente ativos contrairão HPV em algum momento da vida. Mas, no caso das mulheres, a vacina contribui não apenas para reduzir a incidência do câncer de colo de útero, mas também da vulva e do ânus, além do surgimento de verrugas na genitália, boca e orofaringe.

Fonte: Medical Site

05 de Março de 2020

Marina Peres Monteiro de Souza Barroso - Doctoralia.com.br