(21) 3129-1029      athenaginecologia@gmail.com    |   

O que é cervicite?

Também chamada de endocervicite, a cervicite é uma inflamação no colo do útero, comum em mulheres entre 18 e 25 anos de idade ou que acabaram de ter filho e lançam mão do uso de pílulas. A causa mais recorrente da inflamação são as doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), como gonorreia, herpes, clamídia e infecções bacterianas. Outra possibilidade é a irritação provocada por determinados produtos químicos, como os presentes nos espermicidas das camisinhas e até mesmo nos tampões vaginais. Neste caso, é quando a inflamação não tem relação com infecções, mas com traumas - é o tipo crônico da cervicite. 

Sintomas e Prevenção

A condição normalmente não apresenta sintomas, mas quando eles aparecem, manifestam-se como vermelhidão local; secreção vaginal espessa; pequena hemorragia depois de uma relação sexual; dor pélvica; febre. Como método preventivo, é importante realizar exames ginecológicos no intervalo de tempo recomendado para não permitir o avanço do quadro e suas consequências mais graves, como perda da fertilidade, infecção do útero (endometrite), Doença Inflamatória Pélvica Aguda (DIPA), abdome agudo infeccioso etc. 

Além disso, os exames são importantes para confirmar o diagnóstico - sendo o principal deles o papanicolau, que é feito de forma simples e indolor, devendo ser realizado periodicamente com a orientação de um ginecologista.

Outra forma de prevenção é sempre usar preservativos durante as relações sexuais, já que uma variedade de bactérias que causam a inflamação são transmitidas sexualmente. Manter a higiene em dia também impede que a região vaginal seja contaminada com microorganismos presentes no ânus. Combinar uma dieta equilibrada com exercícios físicos regulares é outra medida que pode ajudar a evitar inflamações no útero, além de fortalecer o sistema imunológico e aumentar a disposição. 

Tratamento

O tratamento para cervicite é baseado no uso de antibióticos e na interrupção momentânea de relações sexuais. O mesmo vale para o parceiro da paciente, que deverá se submeter ao mesmo processo terapêutico. 

Diante de qualquer sintoma, procure um ginecologista o quanto antes. Mas independente da consulta, é bom estar sempre realizando exames ginecológicos de rotina, fundamentais para preservar a saúde física e sexual da mulher, além da sua fertilidade. 

Fonte: Medical Site

08 de Agosto de 2019

Marina Peres Monteiro de Souza Barroso - Doctoralia.com.br