(21) 3129-1029      athenaginecologia@gmail.com    |   

14 de novembro - Dia Mundial do Diabetes - A incidência da doença nas mulheres

O Dia Mundial do Diabetes

Celebrado em 14 de novembro desde 1991, o Dia Mundial do Diabetes foi criado pela Federação Internacional de Diabetes (IDF) junto com a Organização Mundial de Saúde (OMS) e desde 2006 com a Organização das Nações Unidas (ONU) para conscientizar e alertar o mundo a respeito dos problemas associados à doença. O diabetes mellitus é uma doença crônica e sistêmica, que afeta mais de 425 milhões de pessoas em todo mundo e pelo menos 12 milhões no Brasil, elevando o percentual de morbidade e mortalidade. 

Caracterizado pela ausência ou insuficiência de insulina (hormônio que controla a glicose no sangue), o diabetes não permite que a glicose entre nas células e o açúcar acaba sobrando na circulação sanguínea. Por isso, o Dia Mundial do Diabetes também é uma homenagem à data de nascimento do Dr. Frederick Banting - descobridor da insulina em 1921.

A incidência do diabetes nas mulheres

Há uma forte incidência do diabetes entre o gênero feminino e essa relação vem sendo discutida de forma mais específica e atenciosa pelas autoridades governamentais e de saúde. Segundo a OMS, 8% das mulheres - ou 205 milhões - vivem com diabetes em todo o mundo. No Brasil 7,8% dos homens sofrem com a doença contra quase 10% delas. De acordo com a Federação Internacional de Diabetes (IDF), o diabetes já está entre as dez principais causas de morte entre mulheres no mundo inteiro. Mas por que isso acontece?

Alguns fatores biológicos respondem essa pergunta - como é o caso da menopausa e da gestação. Mas os fatores biológicos também se relacionam com algumas questões socioculturais. Explica-se: na sociedade contemporânea, elas ainda são responsáveis pela manutenção da família, então acabam sobrecarregadas com a dupla jornada de trabalho - dentro e fora de casa. Muitas vezes, dentre tantas responsabilidades, a própria saúde é negligenciada.

Tratamento para mulheres com diabetes

Como são muitos os fatores de risco, é importante avaliar a necessidade e o tipo de tratamento individualmente. Se as pacientes apresentam diabetes do Tipo 1 podem precisar de injeções diárias de insulina para manterem a glicose no sangue em valores considerados normais. 

Já no caso do Diabetes Tipo 2, o tratamento consiste em identificar o grau de necessidade de cada pessoa e indicar os medicamentos adequados, receitados pelo médico. Esse tipo normalmente vem acompanhado de outros problemas de saúde, como obesidade, sobrepeso, sedentarismo, triglicerídeos elevados e hipertensão, exigindo uma mudança radical no estilo de vida, incluindo alimentação e prática de atividades físicas.

Fonte: Medical Site

14 de Novembro de 2019

Marina Peres Monteiro de Souza Barroso - Doctoralia.com.br